sábado, 11 de maio de 2013

Entre Ustra e Dilma, a mídia golpista [Estadão] fica com torturador


"Ustra nega tortura e mortes e diz que Dilma era de grupo terrorista", diz a manchete principal do jornal O Estado de S.Paulo neste sábado; publicação optou por destacar a defesa do coronel reformado e ex-comandante do DOI-Codi em São Paulo à Comissão Nacional da Verdade, negada pelo vereador Gilberto Natalini ainda durante a sessão, que afirmou ter sido ele próprio torturado pelo militar

Num depoimento polêmico e raivoso, com direito a porradas na mesa, o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra negou nesta sexta-feira 10 à Comissão Nacional da Verdade ter ocultado qualquer cadáver durante a ditadura militar. Mais: o ex-comandante do DOI-Codi em São Paulo afirmou que nenhuma tortura foi cometida dentro das instalações do órgão de repressão do governo militar sob sua gerência – entre 1970 e 1974 – e acusou a presidente Dilma Rousseff de participar de "grupo terrorista".  

Apesar de seu nome estar entre os mais citados em denúncias sobre tortura e outras violações de direitos humanos à época do regime militar no Brasil, o jornal O Estado de S.Paulo escolheu a sua defesa para estampar a manchete principal da edição deste sábado 11. Eis o título: "Ustra nega tortura e mortes e diz que Dilma era de grupo terrorista". Em seu depoimento, como relata a reportagem, Ustra ressalta que "lutou pela democracia" e que combatia o "terrorismo".  

Sobre a chefe do Executivo, o texto cita que Dilma "fez parte de grupos de resistência à ditadura e foi presa em 1970", mas não menciona que ela foi perseguida, presa e torturada durante a ditadura. No início do mês, a presidente anunciou que doaria a indenização de R$ 20 mil que receberá pelos crimes dos quais foi vítima no período para a ONG Tortura Nunca Mais, do Rio de Janeiro. Ela faz parte de uma lista de 170 beneficiados de um programa de indenização a perseguidos políticos e familiares de vítimas da ditadura.  

Vereador diz ter sido torturado por Ustra  

A sessão da Comissão Nacional da Verdade foi marcada por momentos tensos envolvendo Ustra e o presidente da Comissão Municipal da Verdade de São Paulo, vereador Gilberto Natalini (PV-SP). Questionado sobre se teria torturado Natalini, em 1972, Ustra respondeu que não tinha nada a dizer e negou o fato. A negativa foi rebatida por Natalini que interrompeu a fala de Ustra aos gritos: "Sou um brasileiro de bem. O senhor é que é terrorista. Eu fui torturado pelo coronel Ustra".  

O discurso do ex-comandante do DOI-Codi paulista também foi rebatido pelo agora deputado estadual Adriano Diogo, que presidente a Comissão da Verdade Rubens Paiva na Assembleia Legislativa de São Paulo. Segundo ele, que era estudante universitário quando foi preso em 1973, quem supervisionava tudo era Ustra e foi ele quem matou seu colega de classe Alexandre Vannuchi. "Ele é um assassino confesso, ele é um dos maiores verdugos da História do Brasil", disse o deputado (leia mais na reportagem da Rede Brasil Atual).

2 comentários:

Graziela disse...

A terrorista é uma bandida.
Fora Dilma assassina! Brasil que tristeza temos uma presidANTA BANDIDA ASSALTANTE E ASSASSINA.
Quem sabe conta ...
TriSteza ú brasileiros.
Quintal do Mundo Que merda!

Diógenes Afonso disse...

kkkkk Nunca vi tanta leseira concentrada numa pessoa só. Dona profa. Graziela, a senhora não tem coragem de encarar seus torturadores, como Dilma fez... Não aguenta trinta segundos de interrogatório. Ah, se defende o coronel Brilhante Ustra, saia às ruas com uma camisa estampada com a foto dele e grite para todo mundo que ele é o cara... Ah, faça-se acompanhar por um carrinho de som com a composição de Roberto Carlos... kkkkkkkkkkkkk

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...