segunda-feira, 24 de junho de 2013

Charge Online do Bessinha # 1409


2 comentários:

José Agenaldo disse...

Olá professor Diógenes, hoje tive uma discussão acalorada com um professor de física a respeito do "presidenta" que Dilma utiliza. Disse a ele que o uso está correto e que inclusive consta no dicionário, mas ele, misturando ódio político com língua portuguesa, não aceitava o que dizia e retrucava que se fôssemos olhar nessa ótica chamar alguém de "gerenta" estaria correto. Não estou discutindo méritos partidários ou políticos, sei que o uso está correto mas queria uma explicação acadêmica sobre. Desde já obrigado.

Diógenes Afonso disse...

Olá, José Agenaldo!

Primeiro, com todo o respeito, o professor deve ter conhecimento de causa para falar de um ponto de vista linguístico. Se acha que tem, está redondamente enganado, pela posição que tomou. Segundo, a questão não é partidária, mas linguística. Faça com que ele entenda isso. Se ele não entender, é porque está tomado por um estreitismo que leva à ignorância.

Mas vamos ao que interessa:

Toda língua é um ser vivo e a linguística moderna assim a concebe. Partindo desse pressuposto, não se deve desconsiderar um fato linguístico [o uso da palavra "presidentA"], já que qualquer fato linguístico, inclusive a flexão de um nome, só terá guarida se a comunidade linguística na qual esse fato venha a estar inserido fizer uso dele. Sempre foi assim. Determinadas expressões passam a ser incorporadas à língua pelo uso e quem tem o poder de definir esse uso são os falantes da língua.

A língua é um sistema e tem caráter social, como diria o linguista Ferdinand de Sausure. Desse modo, ela está atrelada a um "contrato social", convencional e quem "assina" o tal "contrato" são os membros de determinada comunidade linguística. Ao ser usado com frequência, como me parece que esteja havendo isso, o termo "presidentA" passa a existir na língua. Então, essa de "na língua não existe" soa como a não percepção da vivacidade da língua. Já imaginou se pensássemos assim sempre? O que seria do pronome VOCÊ? O que seria da palavra MANHÃ? Elas não eram assim. A visão do professor pareceu-me estagnar a língua e seu mover para adiante. A língua nunca será estática. Nenhuma língua.

O fato de a palavra "gerente" não produzir um feminino do tipo "gerentA", como ele tenta argumentar, está ligado ao não uso pelos falantes da língua portuguesa.

Grande abraço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...